terça-feira, 14 de maio de 2013

Segundo Astronauta Brasileiro vai ao espaço em 2014


Pedro Henrique Doria Nehme
Pedro Henrique Doria Nehme, 21 anos, ficará para a história. Ele será o primeiro brasileiro civil a ir ao espaço. O futuro turista espacial venceu a promoção mundial Space Flight, realizada pela empresa área holandesa KLM, que premiou o vencedor com uma vaga na nave Lynch, da empresa Space Expedition Corporation (SXC).  O voo deverá ser realizado no início do próximo ano.O estudante demonstra que ainda não percebeu a dimensão do prêmio que ganhou. Estagiário da Agência Espacial Brasileira (AEB) e aluno do oitavo semestre de engenharia elétrica da Universidade de Brasília (UnB), Pedro se diz muito interessado na área espacial: “desde criança, gosto de aviões”. Trabalhou no Goddard Space Flight Center, da Agência Espacial Americana (NASA) e estudou na Catholic University of America, em Washington D.C. Além de se dedicar a área espacial, Pedro toca baixo e violão. O estudante gosta de música popular brasileira e de compositores como Caetano Veloso, Chico Buarque, Nando Reis, Gilberto Gil.

AEB – Por que decidiu estudar engenharia elétrica?

Pedro – Meu pai começou engenharia elétrica, mas não terminou. Ele sempre me incentivou a ter interesse pela engenharia. Na minha casa, erámos estimulados a abrir as coisas e ver como elas funcionavam. Por essas razões, decidi fazer o curso.

AEB – Como surgiu o interesse pelo espaço?

Pedro – Desde criança, gosto de aviões. Minha mãe nos dava Lego para brincarmos e eu sempre preferia os de aviões. Antes da faculdade, não há muito o que fazer na área. No ensino médio, vemos alguma coisa sobre o assunto, mas nada muito palpável. Quando entrei para a faculdade, fiquei realmente interessado no tema. Na metade de 2011, eu fui fazer um curso de inverno no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), por um mês. Era sobre pesquisas aeroespaciais e as aulas tinham como tema as missões espaciais. A última semana do curso era um breve estágio. Eu fiz no Laboratório de Integração e Testes (LIT), na área de interferências e compatibilidade eletromagnética. A partir daí, realmente me interesse pela área.

AEB – Como foi sua experiência no curso do INPE?

Pedro – O curso foi sensacional. Alguns palestrantes participaram de missões brasileiras e outros tinham experiência prática com sistemas. Depois de participar do curso, percebi que a sociedade não conhece muito esse setor. Antes do curso, eu não fazia ideia do que era o LIT. O laboratório é sensacional.

AEB – Na faculdade de engenharia da Universidade de Brasília (UnB), você participa de algum laboratório ou grupo de pesquisa?

Pedro – Quando comecei a cursar engenharia, fui conhecer os laboratórios e gostei do de automação e robótica, que talvez seja um dos poucos laboratórios no Brasil que desenvolve esse tipo de tecnologia. O laboratório atua em várias frentes: robótica médica, robótica aérea, robótica móvel, reabilitação, entre outras. É um espaço grande, que tem parcerias com empresas e onde muitas pessoas trabalham. Na época (primeiro semestre do curso), havia uma vaga num projeto de robótica aérea. Desde então, participo do grupo de pesquisa.

AEB – Como conseguiu o estágio na NASA?

Pedro – Eu já sabia falar Inglês e sempre quis muito ir aos Estados Unidos (EUA). No final de 2011, lançaram o Programa Ciência Sem Fronteiras, que tinha intercâmbio para os EUA e eu sempre quis fazer intercâmbio. Então, resolvi me inscrever. Nesse meio tempo, a professora Duilia de Mello, que é da Universidade Católica da América em Washington e pesquisadora da NASA, selecionou alguns alunos do programa, por meio dos currículos, para fazer estágio na NASA. Fui um deles. No total, foram escolhidos sete brasileiros, três da Universidade de Brasília, um da Universidade de São Paulo (USP), um da Universidade Cruzeiro do Sul e dois do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

Nave Lynch
Nave Lynch

AEB – Como foi sua experiência na NASA?

Pedro – A experiência foi muito boa, aprendi muito. Passei um ano nos Estados Unidos. Eu não tinha noção de tanto das coisas que aconteciam na NASA. São muitos projetos. No centro em que eu estagiava, que era o maior de todos, estavam sendo realizados mais de 200 projetos aeroespaciais, com todas as suas complicações e especificidades. Nesse tempo, aprendi coisas que talvez nunca fosse aprender no Brasil. Vale muito a pena você ir para fora, aprender e depois trazer esse conhecimentos para o Brasil. Considero-me privilegiado por ter estagiado na NASA.

AEB – Você desenvolveu algum projeto na NASA?

Pedro – Na NASA, trabalhei no Goddard Space Flight Center, onde fiz parte do projeto BETTI (Balloon Experimental Twin Telescope for Infrared Interferometry) – desenvolvido por uma equipe de astrônomos e engenheiros da NASA, da Universidade de Maryland, e do Instituto de Johns Hopkins University. Trata-se de uma projeção e construção de um observatório-balão para estudar os cosmos infravermelhos em detalhes mais nítidos. Eu e mais quatro estagiários desenvolvemos uma câmera. Na época, ficava pensando em como os pesquisadores tinham coragem de colocar um material de US$ 30 mil na mão de cinco estagiários. Com o tempo percebi que eles têm confiança nos estudantes.

AEB – Como você veio parar na AEB?

Pedro - Em outubro, assisti a um vídeo no youtube do gerente do Programa AEB Escola, Eduardo Quintanilha, dando uma palestra no Campus Party. Ele falava sobre o Programa Espacial Brasileiro e, no final, falou sobre a olimpíada de Cansat, que ia ser lançada. Achei a palestra interessante e enviei um e-mail para ele, contando um pouco da minha história e perguntando se eles tinham estágio na AEB. Quando retornei ao Brasil, ele me entrevistou e comecei o estágio.

AEB – Em que você trabalha na Agência?

Pedro - Trabalho no desenvolvimento da Olimpíada de Cansat e de foguetemodelismo, desenvolvendo software e hardware para o Cansat.

AEB – Como ficou sabendo do concurso da KLM?

Pedro – Por um vídeo no Youtube. Antes dos vídeos, passam comerciais e anúncios promocionais. Então, vi a campanha da KLM. Era um vídeo muito bem feito. Toda a campanha de divulgação do concurso era bem desenvolvida, principalmente a interface gráfica. Costumo dizer que resolvi participar em razão disso.

AEB- Você assiste a muitos vídeos? Você acha que o Youtube dissemina conhecimento?

Pedro - Sou uma pessoa que aprende muito vendo, assistindo aulas e vídeos. Aprendo muito mais vendo do que lendo. OYoutube está repleto de aulas, principalmente de universidades de fora. Com o Youtube, não há fronteiras literalmente. A pessoa pode estar em qualquer lugar do Brasil e assistir aulas das melhores universidades americanas.

AEB – O que você fez para adivinhar onde o balão iria cair?

Pedro – Foi um chute. Eu não tinha nenhuma informação do balão. Mas foi aquele chute diferente, porque toda a minha experiência contribuiu para que eu acertasse. É como se fosse uma dona-de-casa fazendo comida. Ela não tem receita das coisas, mas faz tudo muito bem, porque cozinha há vários anos. Então, a comida “sai boa”. Como trabalhado há muito tempo na área, tenho mais noção do que um leigo.

AEB- Como você ficou sabendo do resultado?

Pedro - No domingo, a KLM mandou e-mail para todos os participantes do concurso, informando que o resultado sairia no dia seguinte (segunda-feira). Na manhã do dia seguinte, esqueci-me completamente do concurso. Fui para a defesa de um mestrado de um amigo sobre a área espacial. Depois, para o laboratório trabalhar. Foi quando abri meu e-mail e vi a mensagem da KLM avisando que eu havia ganhado o concurso.

AEB – Qual foi sua reação?

Pedro – No começo, achei que fosse SPAM, defeito e-mail, porque meu email filtra as mensagens do dia e essa havia ido parar na minha caixa prioritária da caixa de entrada. Quando comecei a ler, lembrei-me do concurso. Então, pensei: não é possível que eu ganhei esse negócio. Para mim, era extremamente improvável que eu ganhasse. Li o e-mail dez vezes. Foi uma loucura. Respondi o e-mail, perguntando se era mesmo verdade. Eles responderam: “você ganhou. Vamos entrar em contato com você o mais rápido possível, me passe o seu contato”. No dia seguinte, ligaram me dando parabéns. O pessoal da KLM de São Paulo estava muito surpreendido por ter sido um brasileiro e me disseram que tinham feito a divulgação para alguns veículos de comunicação e que eu daria algumas entrevistas. É meio impactante, porque, atualmente, esse tipo de viagem não é algo comum. Acredito que no futuro será como comprar uma passagem para São Paulo. Mas, hoje, é esquisito, é diferente.



AEB – Qual o prêmio que você ganhou?

Pedro - Fui premiado com uma vaga na nave Lynch, da empresa Space Expedition Corporation (SXC). A viagem espacial terá início em Curaçao, no Caribe. O voo será suborbital (não entra em órbita da Terra) e atingirá uma altura aproximada de 103 quilômetros, cruzando a chamada linha de Kármán. A viagem terá uma hora de duração – da decolagem à aterrisagem. Ficarei aproximadamente cinco minutos em ambiente de microgravidade. Além da viagem ao espaço, ganhei duas passagens aéreas para Curaçao, no Caribe, de onde sairá a nave, e hospedagem para duas pessoas em um hotel de luxo.

AEB – Quando é a viagem?

Pedro – Ainda não há uma data definida, pois a espaçonave ainda está em processo de certificação e passa por um período de testes. Depende da resposta da espaçonave a esses testes. A previsão é de que seja no início de 2014.

AEB – Você tem ideia de como será o voo?

Pedro – Sei que há um treinamento, que envolve um simulador dessa espaçonave e voos de caça. Imagino que terei que fazer testes físicos e exames médicos. Daqui até a viagem, ainda há um tempinho e muitas coisas para acontecer. O período do voo – uma hora -, será extremamente intenso. A espaçonave subirá e descerá muito rápido. Vou ultrapassar três vezes a barreira do som e ficarei, aproximadamente, cinco minutos em ambiente de microgravidade (sensação de gravidade zero).

AEB – O que você pretende fazer depois de se formar?

Pedro – Meu futuro ainda é meio incerto. Pretendo fazer um mestrado na área espacial. Não sei onde, se no Brasil, nos Estados Unidos ou em qualquer outro lugar. Quero trabalhar na área. Gosto de sistemas embarcados – que é fazer e projetar circuitos para sistemas aeroespaciais.

AEB – Em relação à questão espacial, como você vê o Brasil a alguns anos?

Pedro – Consigo ver os lados positivo e negativo de estar aqui e de estar lá fora. Uma das coisas que eu considero chave é burocracia brasileira, que atrapalha imensamente o projeto e o engenheiro. Há pessoas que estão lidando com projetos difíceis, que estão tentando fazer as coisas funcionarem e, ao mesmo, preciso desempenhar papel de administrador, assinar papelada, se envolver com a parte política. O engenheiro tem que se dedicar exclusivamente ao desenvolvimento do seu projeto. Outro fator negativo são os investimentos na área. Quando comparamos o Brasil com os EUA, a diferença é absurda. Os recursos dos projetos americanos são imensos, apesar do corte de gastos nos últimos anos. Penso que se o Brasil quiser fazer alguma coisa relevante na área e ter projetos ambiciosos, são necessários mais investimentos e o apoio da sociedade.

AEB – Qual é a lado positivo do Brasil nesse tema?

Pedro – O lado bom daqui é que o Brasil é um país muito bom de se viver. Nos Estados Unidos, no inverno, às 16h horas já está tudo escuro. As pessoas ficam desanimadas, o que acaba atrapalhando o desempenho nos projetos. O Brasil tem muita gente inteligente e competente querendo desenvolver o setor. Aqui, há muitas oportunidades para isso. A competição lá fora é muito grande. Há países que já são muito desenvolvidos na área. Os Estados Unidos são um exemplo. Quando voltei para dos EUA senti muito, porque o Brasil ainda é um país muito “cru” nessa área. Falo de coisas básicas, como o uso da internet para compras. O brasileiro ainda utiliza muito a caneta e o papel e pouco o computador. Isso tem de mudar o mais rápido possível. As coisas precisam ser menos burocráticas. Nos Estados Unidos, há muita burocracia do governo, mas é impressionante como tudo funciona pela internet, porque as pessoas precisam se dedicar ao trabalho. É com esse pensamento de dedicação que entra em questão o funcionamento das universidades americanas. Lá, há secretárias para alunos de doutorado e de mestrados, comida de graça. Tudo é feito para o estudante ter um ambiente propício para trabalhar e estudar.

Um comentário:

  1. Vamos esperar que se comporte melhor que o outro, que fez papel ridículo . O cara foi ao espaço de favor pelos americanos e fica o tempo inteiro sacudindo a bandeira do Brasil.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...