segunda-feira, 24 de março de 2014

Polícia Federal prende ex-diretor da Petrobras em operação contra lavagem de dinheiro



A Polícia Federal informou que prendeu nesta quinta-feira (20) o ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. A PF informou ainda que o mandado de prisão é temporário, por cinco dias. A prisão de Costa, de acordo com a polícia, faz parte da Operação Lava Jato, deflagrada pela PF na última segunda-feira (17).

A Polícia Federal disse ainda que Paulo Roberto Costa foi preso no Rio de Janeiro por destruição de provas. Os policiais federais apreenderam R$ 700 mil e US$ 200 mil na casa de Costa.

Na última segunda, informou a PF, o ex-dirigente da estatal do petróleo já havia sido ouvido na superintendência da corporação no Rio. Na ocasião, ele foi conduzido pelos agentes federais para falar sobre sua suposta ligação com o doleiro Alberto Youssef, que foi preso em São Luís (MA) e também é suspeito de comandar a quadrilha acusada de lavagem de dinheiro.

Após prestar o depoimento na segunda, Paulo Costa foi liberado. Nesta quinta, entretanto, a Justiça decretou a prisão temporária do ex-diretor da Petrobras. Em nota, a PF informou que ele foi preso por "tentativa de destruição e inutilização de documentos que poderiam servir de prova nas investigações da Operação Lava Jato".

O ex-diretor também é investigado pela compra pela Petrobras de uma refinaria de petróleo de Pasadena, no Texas (EUA), segundo o Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro. Após uma disputa judicial com um sócio belga, a estatal brasileira foi obrigada a adquirir a totalidade da planta norte-americana por US$ 1,18 bilhão, valor considerado superestimado no mercado.

O negócio é alvo de investigações da PF, do MPF e do Tribunal de Contas da União. A Procuradoria alegou que o suposto envolvimento de Costa no caso está sob sigilo e não deu detalhes.

A operação Lava Jato da PF mira grupos de lavagem de dinheiro. Na segunda, foram presos 24 suspeitos de envolvimento no crime de lavagem. A polícia atuou em 17 cidades do Paraná, em São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Mato Grosso e no Distrito Federal. O esquema criminoso, segundo a polícia, movimentou R$ 10 bilhões.

Conforme a PF, as investigações da Operação Lava Jato - que correm em segredo de Justiça - eram realizadas desde 2013, e o montante bilionário foi arrecadado em três anos. O suspeito de chefiar a quadrilha foi preso no Distrito Federal. O doleiro Alberto Youssef, que mora em Londrina, no norte do Paraná, foi preso em São Luís e também é suspeito de comandar a quadrilha.

A quadrilha envolve personagens do mercado clandestino de câmbio no Brasil e é responsável pela movimentação financeira e lavagem de ativos de diversas pessoas físicas e jurídicas envolvidas com vários crimes, segundo a PF.

Leia abaixo nota da PF sobre a prisão:

NOTA A IMPRENSA

Brasília/DF - A Polícia Federal confirma que cumpriu mandado de prisão temporária de Paulo Roberto da Costa, hoje, 20/3, na cidade do Rio de Janeiro. A prisão decorreu da tentativa de destruição e inutilização de documentos que poderiam servir de prova nas investigações da Operação Lava Jato, uma vez que ele foi conduzido coercitivamente na segunda-feira, 17/3, para prestar informações sobre possível ligação com um dos líderes da organização criminosa investigada pela PF.

Foram cumpridos também seis mandados de busca e apreensão em residências e endereços do preso, localizados na Barra da Tijuca e Zona Sul do Rio de Janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...